Ribeira Grande

Saindo de Ponta Delgada, pela estrada que liga as costas, sul e norte da ilha, numa extensão de 18 Km, tendo como pano de fundo a Serra de Água de Pau, encimada pelo Pico da Barrosa, o visitante chega à segunda cidade de São Miguel, a Ribeira Grande, nome que lhe advém da ribeira que, vinda das faldas da Lagoa do Fogo, a atravessa ao meio.

Aqui e num passeio através das suas ruas, terá o passeante a oportunidade de apreciar a rica e interessante traça arquitectónica de alguns dos seus edifícios mais antigos, dos quais se podem destacar como exemplo:

- As Igrejas, de Nossa Senhora da Estrela, do Espírito Santo e de Nossa Senhora da Conceição e a Igreja e Convento de São Francisco, principais locais do culto religioso dos ribeira grandenses;

- Na Igreja de Nossa Senhora da Estrela existe uma vitrina com figuras representando o velho e novo testamento, figuras moldadas de miolo de pão, goma-arábica e alúmen pela freira Clarissa Margarida do Apocalipse;

- O Fontenário do Sec.XVI encontrado como vestígio duma povoação destruída pela erupção vulcânica de1563;

- O edifício da Câmara Municipal, típico exemplar da arquitectura civil açoriana dos sécs.XVI - XVIII e o Museu Municipal, reunindo trabalhos em pedra basalto, cerâmica, azulejaria, arte e oficios tradicionais e o presépio movimentado, de grandes tradições na Ribeira Grande;

- Várias Capelas e Ermidas dedicadas a diversos Santos e a Nossa Senhora, pitorescos e valiosos exemplares da arquitectura popular e barroca e outros Solares espalhados pela cidade e freguesias limítrofes, destacamos a Igreja da Matriz de Nossa Senhora da Estrela onde se poderá ver a sala de Arte Sacra e o Arcano;

A curta distância da cidade, mas constituindo quase que um circuito obrigatório para quem a visita, as Caldeiras da Ribeira Grande são um típico lugar de manifestações de vulcanismo activo, onde o fumo saído das entranhas da terra se mistura com o verdejante arvoredo que transmite frescura ao lugar. Um pouco mais acima, o Vale das Lombadas oferece um verdadeiro espectáculo de luxuriante vegetação.

Terminada a visita à Ribeira Grande, a subida à Lagoa do Fogo é um dos percursos sempre recomendados a quem gosta de apreciar as belezas da paisagem.

Com efeito, localizada no centro da ilha e ocupando o fundo da cratera principal do complexo vulcânico da Serra de Água de Pau, a Lagoa do Fogo, envolvida pelas altivas paredes interiores da caldeira revestidas de uma exuberante vegetação, maioritariamente endémica e de alto valor botânico, oferece um espectáculo de grande beleza natural e paisagística, o que lhe valeu a atribuição do estatuto de Reserva Natural, em 1974.